in ,

“A homossexualidade ainda é tratada como doença”, diz socióloga Berenice Bento

Na noite desta segunda-feira (6), teve início o Ciclo de Debates da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, cuja programação segue até julho. A mesa de ontem, realizada na sede do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CREMESP), contou com a participação da socióloga e pesquisadora Berenice Bento, que tratou da campanha mundial pela despatologização da transexualidade.

Em sua fala, Bento declarou que a luta pela retirada da transexualidade do Código Internacional de Classificação de Doenças (CID) não diz respeito apenas às transexuais. A socióloga explicou que, a partir do momento em que a homossexualidade foi retirada, ela ganhou um novo nome, que para ela se define como "transtorno de gênero". "Dizer que a homossexualidade não é tratada como doença é uma farsa. Pois, hoje, o psicólogo ou o psiquiatra não pode classificar a homossexualidade como doença, mas o transtorno de gênero sim, e é isso o que eles fazem. O seu filho é afeminado? Ele sofre de transtorno de gênero", denunciou a socióloga.

Bento também opinou sobre o fato de o Estado mudar o nome dos transexuais apenas após a cirurgia. Para a pesquisadora, é um "absurdo" que o Estado negue um nome a estas pessoas, porque "o nome é o direito pela cidadania". Muito provocadora, Bento perguntou aos presentes: "Afinal, o que é uma mulher? O que é um homem? O gênero é uma técnica de opressão. Definir o gênero e o sexo pela genitália é uma grande mentira".

A seguir, você confere uma entrevista exclusiva com Berenice Bento. Na conversa, ela fala do controle do Estado sobre os corpos e as sexualidades das pessoas e aponta para o fato de que quem sofre as maiores consequências da opressão de gênero são as "mulheres, os gays femininos e as travestis". A pesquisadora revela ainda que ficou "chocada" com a reação da presidente Dilma Rousseff diante do vídeo "Probabilidade". Nas palavras de Bento, a atitude de Rousseff foi "estapafúrdia" e revela o quanto "o projeto da heteronormatividade é frágil".

O veto ao Kit Escola Sem Homofobia é o ápice da luta por uma sociedade não heteronormativa?
É uma disputa que está posta. Mas, particularmente, me assustou e acredito que a muita gente também, a fala da presidenta, pois parecia que ela tinha visto algo terrível e obscuro. É um absurdo o que uma presidenta da República fala. Ou ela é muito carola e aí me assusta porque a disputa vai ser em outro nível, ou ela não viu os vídeos. De um lado ou de outro, assusta.

Acredita que é falta de conhecimento?
Acredito que sim e profundamente desrespeitosa. Estamos falando de política pública e de movimento social. Trata-se de um material produzido pelo Ministério da Educação (MEC), que foi discutido por anos e há anos já existe o curso "Diversidade Sexual e de Gênero nas escolas". Aí vem a presidenta fazer aquelas declarações estapafúrdias, uma atrás da outra. A questão do privado, do costume, de que ela não tinha gostado que viu… O que ela viu afinal?

Ela declarou que assistiu a um trecho do vídeo "Probabilidade".
É um vídeo absolutamente singelo no sentido de uma linguagem poética com desenhos sobre um jovem que vive algo que é uma crise ou algo permanente, e que no final indica que pode ser uma boa escolha não ter escolha. Um texto rico e tão bom para se discutir… Sou professora e vejo que um material desse pode ser muito bom para discutir com pessoas que estão vivenciando aquele momento ou para discutir questões que circulam nas relações humanas.

A questão da biopolítica tem voltado à pauta. No caso, sobre o controle do Estado sobre os corpos. Michel Foucault nunca esteve tão atual, visto que ele apontou, há trinta anos, esse controle estatal dos corpos?
Está voltando porque a cada dia que passa a autonomia do sujeito em decidir diminui. O Estado está em todos os lugares regulamentando tudo. Há um avanço do controle sobre a vida. Ao mesmo tempo isso produz resistência. Nos próprios textos do Foucault ele diz que "onde tem poder, tem resistência". Só não vai ter resistência se você viver num Estado de escravidão onde o outro é o objeto. A biopolítica gera, obviamente, resistência e contrapoder.

Acredita que o ideal seria superar as identidades de gênero e sexuais?
Tem que discutir a questão das identidades políticas: o que é identidade política? O movimento feminista, que é o que eu trabalho mais de perto, trabalha a questão: quem é o sujeito do feminismo? Discuto que o sujeito do feminismo não são as mulheres, são todos os sujeitos que estão em disputa e que não concordam com a ordem de gênero binária naturalizada. É a discussão do sujeito identidade coletiva. Quem é o sujeito do movimento gay? A questão das identidades individuais. Nós somos projetos de nós mesmos, nós nunca estamos prontos, a cada dia nós estamos postos em situações que exigem respostas que nós não temos e que temos de inventar de acordo com a situação. Na questão da sexualidade, por exemplo, não sei se você sabe o tanto de mulher que tem um relacionamento hétero e que de repente encontra uma mulher e se apaixona… Isso não quer dizer que ela esteve no armário, mas é que existe a ideia de uma identidade fixa e que nós nascemos com ela e vamos morrer com ela. Eu não sei a quem interessa, porque na vida não é assim.

É possível vislumbrar uma sociedade livre da heteronormatividade compulsória?
Sim. Nós estamos todos metidos nisso, onde a heterossexualidade não seja o único lugar de humanidade. Não pode ser a única possibilidade de você viver a sexualidade. Nós estamos nesta luta.

O filósofo Slavoy Zizek declarou em artigo que atualmente vivemos sob as "falsas políticas da diversidade". Os governos fazem secretarias e algumas políticas de inclusão, mas que a base machista/homofóbica não é alterada. Você concorda?
Eu concordo, mas precisaria ver o contexto do texto dele. O machismo, que prefiro chamar de dominação masculina, traz como ideia o masculino que não tem um corpo. Uma mulher pode ter um poder muito mais masculino do que um homem, então, a dominação masculina, esse lugar que diz que para você ter poder, a virilidade não vinculada à ideia da presença do pênis, mas como prática de disputa, é muito forte. Os modelos de gênero estão intocáveis. As mães continuam educando os seus filhos para o mundo público e continuam educando as suas filhas para serem mães. Continuam dizendo que menina tem que casar, o projeto da maternidade enquanto destino; o destino dos meninos é dominar e controlar. E o resultado disso são homens que matam mulheres, porque ele pode, já que ele controla. Os índices de violência contra as mulheres não têm baixado, continuam muito elevados; a violência contra gays também, mas principalmente contra os gays femininos ou com as travestis. Então tem uma coisa nessa concepção, nessa estrutura de gênero, onde o feminino é o lugar do poluído, do abjeto, algo a ser controlado e dominado. A dominação está do lado do masculino, portanto, há um longo caminho para gente percorrer e pensar estratégias teóricas, um novo tipo de movimento feminista, um movimento pós-uterino.

A filósofa Beatriz Preciado declarou recentemente que as "sexualidades são como as línguas e que se pode aprender várias". Você concorda com esta colocação?
A sexualidade não é um dado da natureza: você não nasce hétero. Você é produzido enquanto heterossexual. E o projeto da heterossexualidade é tão frágil que até um suposto beijo (gay) em um desenho animado faz a presidenta da República vir a público e proibir. Então, que natureza é essa que treme diante de um suposto beijo em um desenho de um vídeo chamado "Probabilidade", que nem beijo tinha? Então, é algo aprendido mesmo. E não é apenas "aprendi, captei, sou hétero". É o tempo inteiro. Aprender uma língua é prática, você não aprende uma língua, você tem que praticar determinada língua e a sexualidade é isso mesmo. No momento em que você disser ‘estou em dúvida’, está lascado, porque vem aí o heteroterrorismo e os heteroterroristas não deixam barato. A produção da heteronormatividade é um projeto extremamente violento e permanente, que eu chamo de as "reinterações da produção da heterossexualidade" enquanto um projeto marcado pelo terrorismo. Você se comporta assim, o papai não te ama; você fecha as pernas, porque senão a mamãe não te ama; isso não é coisa de menino, isso não é coisa de menina. Menino vai pra rua brigar e dar porrada. Essas reinterações não têm nada de natural. São reinteradas pelos meios de comunicação, pela igreja, pela medicina, pela família e pelos amigos.


Como seria o homem perfeito para você?
Todo mundo tem um tipo de homem perfeito, algumas pessoas têm algo muito bem definido e específico e outras pessoas menos.

Achar o cara perfeito – ou quase perfeito – nem sempre é uma tarefa fácil quando estamos buscando no lugar errado. E isso deve estar acontecendo com você!

O cara perfeito incluí também o que ele deseja. Se apenas uma noite, um lance rápido, um namoro e até um casamento.

Talvez esteja difícil para você encontrar essa pessoa porque ainda não procurou no Disponivel.com. Com mais de 548.284 homens cadastrados tenho certeza absoluta que o “seu número” está lá te esperando. Clique aqui e comece agora mesmo.

What do you think?

Gays que conquistaram direitos na Justiça são tema da revista A Capa #13; leia na íntegra

A mídia gosta do Bolsonaro