in ,

Jornalista fala do Dominação…

Emerson Lisboa, meu amigo (virtual) jornalista, que vem me representando em diversas situações, presenteou outro jornalista com meus livros. Aí ontem recebi um e-mail do cara e fiquei de queixo caído. É, claro que um dos motivos foi o tanto que ele falou bem do DOMINAÇÃO, mas o principal foi a análise "crítico-literária" que ele fez. Nem vou falar mais nada, o texto dele já diz tudo.

Ah, não que isso tenha importância de maneira geral, mas no caso específico da minha "obra", acho que conta: Daniel Barbosa é hetero, portanto, não leu o livro como "público de nicho".

Querido Treppi, quando fui presenteado com os seus livros, também fui alertado – pelo queridão Emerson Lisboa – de que eu me assustaria. Susto? Vamos admitir: é sempre vital. E o que eu li soou como um tremendo BU! – fiquei assustado realmente.

Num mundo literário infestado de fantasias impalpáveis, você é um paladino rodriguiano (desculpe-me pelo rótulo). Em uma narrativa simples, porém vigorosa e excitante (no sentido geral que o termo possa significar), você revela "a vida como ela é". Sem maquiar nenhuma condição e compromissado em alinhar os desejos numa moldura rasgada – sem pretensões plásticas -; expõe, despudoradamente (e isso é fantástico, pois a vida é mesmo um despudor), personagens reais numa esfera fictícia. O famoso ‘tapa na cara da sociedade’: – "olha aqui, bando de recalcados cuzões, a vida também é tudo isso!"

O maior traço (originalíssimo) de "Dominação" consiste – com muita felicidade e perspicácia – no fato de você abrir mão de um arsenal de firulas – elementos "basilares" pelo menos na maioria da literatura dita "homoerótica". O enredo – sem trocadilhos – dispensa preliminares; é construído com muita excitação; cheio de personagens humanamente desnudados que gritam – um grito ainda carente de muitos decibéis – que estar na condição humana é justamente ter a cara, a alma, o coração e, no caso da sua obra, o pau e a bunda para viver o que se é e o que o desejo – essa mola mal utilizada que carregamos dentre de nós – determinar.

Garoto, que capacidade e talento é esse para arquitetar personagens tão ávidos e vívidos, tingidos de muita euforia – essa coisa que mais corre nas nossas veias? Pro leitor despreparado, isso pode soar como: "ah, ele deve ser assim"; "acho que ele fez ou faz isso", e outras concepções superficiais. Tudo bem. Tem um pouco das suas taras sim. Mas isso é pouco mesmo. Você faz arte, e a arte, na minha bebum opinião, não exige empirismo.

Confesso que, a cada página, a cada lance, gestos e diálogos, eu ficava bem aflito. Surpresas, surpresas e mais surpresas… Justamente por isso, não acho válido discutir a trama (Ué, héteros fodem. Gays também! Natural). É mais rico apontar como você revela a vida – para alguns, "o lado escuro" ou "B" – de gente que ainda vive quase "ao sul de lugar nenhum" – como, talvez, diria o velho Buk. (Sem querer ser reducionista: gay não é só sexo). E por causa de uma bússola que ainda não tem tanta força na direção, sua literatura é adjetivada de "homoerótica". Muito foda… até na arte existe esse caralho chamado "segregação". (Olha eu carregando na utopia! Será que isso vai mudar algum dia?). No entanto, tudo não passa de bobagem. Você faz literatura e ponto. Foda-se quem discordar. Talvez para a trupe do contra seja mais conveniente ler autores Naturalistas, tipo Adolfo Caminha, que lá no século XIX escreveu "Bom-Criolo", dito o primeiro romance homoerótico da nossa literatura – porém, deixou bem claro que o envolvimento amoroso/sexual dos personagens tratava-se de doença, imoralidade. E literatura não existe para apontar "patologias"; existe para chacoalhar, impactar, para causar cataclismas, assustar. E você, verossímil, misturando o poético, o humano, o "vulgar", sabe, bem mais que qualquer lobo mau ou bicho-papão, assustar. Tai, mandando outro trocadilho, sua literatura é dominadora. Viva. Pulsante.

Abraços!
Daniel Barbosa | Jornalista dbarbosa.jor@gmail.com

E então? Não dá pra ficar assim. meio metido? rsrs Beijão!


Como seria o homem perfeito para você?
Todo mundo tem um tipo de homem perfeito, algumas pessoas têm algo muito bem definido e específico e outras pessoas menos.

Achar o cara perfeito – ou quase perfeito – nem sempre é uma tarefa fácil quando estamos buscando no lugar errado. E isso deve estar acontecendo com você!

O cara perfeito incluí também o que ele deseja. Se apenas uma noite, um lance rápido, um namoro e até um casamento.

Talvez esteja difícil para você encontrar essa pessoa porque ainda não procurou no Disponivel.com. Com mais de 548.284 homens cadastrados tenho certeza absoluta que o “seu número” está lá te esperando. Clique aqui e comece agora mesmo.

Personagens de Renata Sorrah e Júlia Lemmertz terão um caso em “Fina Estampa” diz revista

Radialista do interior de São Paulo compara sexo gay com “tubulação de esgoto”