in ,

Projeto “Antibaixaria” proíbe músicas que ofendam mulheres e gays na Bahia

Foi aprovado essa semana, na Assembleia Legislativa da Bahia, o projeto “Antibaixaria”, que proíbe bandas com músicas que ofendam mulheres e gays de serem contratadas com dinheiro público.

De autoria da deputada Luiza Maia, do PT, o projeto recebeu 43 votos a favor contra apenas 9. Além de polêmico, o PL dividiu opiniões.

“Depois da luta pela liberdade de expressão, é a volta da censura. Isso abre um precedente perigoso, pois logo haverá motivo para proibir filmes, livros, etc”, declarou Robissão, do grupo Black Style, autor da música “Vaza Canhão”.

“Ela é corcunda/desengonçada/cintura de ovo com a cara manchada e quando ela fala o bafo é de leão”, diz trecho da letra de Robissão.

Para a deputada Luiza Maia, não existe censura. “Odeio a censura e não admito isso. Agora, dizer que você está censurando, quando você está pedindo que o dinheiro público não financie quem está na contramão da nossa política… Eu acho que passou de todos os limites da degradação da mulher. Precisava ter um freio. As mulheres baianas não aceitavam mais", afirmou.

O projeto “Antibaixaria” precisa ainda ser sancionado pelo governador Jaques Wagner (PT-BA).


Como seria o homem perfeito para você?
Todo mundo tem um tipo de homem perfeito, algumas pessoas têm algo muito bem definido e específico e outras pessoas menos.

Achar o cara perfeito – ou quase perfeito – nem sempre é uma tarefa fácil quando estamos buscando no lugar errado. E isso deve estar acontecendo com você!

O cara perfeito incluí também o que ele deseja. Se apenas uma noite, um lance rápido, um namoro e até um casamento.

Talvez esteja difícil para você encontrar essa pessoa porque ainda não procurou no Disponivel.com. Com mais de 548.284 homens cadastrados tenho certeza absoluta que o “seu número” está lá te esperando. Clique aqui e comece agora mesmo.

“Cheirei tanta cocaína quanto a Whitney Houston”, diz Elton John

Cartaz da 16ª Parada Gay de SP traz tema “Homofobia tem Cura: Educação e Criminalização”