in

Rabino de Jerusalém quer proibir bandeiras de arco-íris em Parada LGBT

O rabino-chefe de Jerusalém, Aryeh Stern, pediu que as bandeiras do arco-íris não sejam acenadas na Marcha do Orgulho Gay de Jerusalém, ou sejam penduradas ao longo da rota do desfile, em uma carta ao prefeito da cidade.

Stern disse que as bandeiras do arco-íris são “feias” e que a marcha do orgulho gay é uma “vergonha”, em uma carta formal enviada ao prefeito, Moshe Lion, na segunda-feira (27 de maio).

“Sei do ponto de vista da lei que o prefeito não tem capacidade de impedir o desfile e, portanto, peço que pelo menos decida que as bandeiras não sejam sacudidas, pois elas tornam a cidade feia”, disse Stern.

Stern continuou: “Eu confio em você para agir com sabedoria para remover essa desgraça de nós, especialmente agora nestes dias sagrados entre o Dia de Jerusalém e Shavuot”, dizia a carta.

A carta, que vazou para a imprensa , também pediu ao Lion para “nos poupar desse constrangimento”.

Mas, em um comunicado, o Município de Jerusalém disse que as bandeiras seriam colocadas como nos anos anteriores antes do desfile, de acordo com as decisões judiciais sobre o assunto.

A marcha do orgulho de Jerusalém deve ser realizada no dia 6 de junho.


Como seria o homem perfeito para você?
Todo mundo tem um tipo de homem perfeito, algumas pessoas têm algo muito bem definido e específico e outras pessoas menos.

Achar o cara perfeito – ou quase perfeito – nem sempre é uma tarefa fácil quando estamos buscando no lugar errado. E isso deve estar acontecendo com você!

O cara perfeito incluí também o que ele deseja. Se apenas uma noite, um lance rápido, um namoro e até um casamento.

Talvez esteja difícil para você encontrar essa pessoa porque ainda não procurou no Disponivel.com. Com mais de 548.284 homens cadastrados tenho certeza absoluta que o “seu número” está lá te esperando. Clique aqui e comece agora mesmo.

Linha tênis nike lgbt

Nike lança tênis com cores da bandeira LGBTQ+

Primeiro Mister Brasil negro

Max Souza pode ser o primeiro Mister Brasil negro da história